Google+ Badge

07/03/2014

COMO CUIDAR DO BONSAI



Instruções Básicas:
Um dos pontos fundamentais para a manutenção do Bonsai refere-se à escolha do local onde será mantida a planta. De uma maneira geral e com poucas exceções o Bonsai deve ser cultivado ao ar livre, ou seja, exposto as variações climáticas tais como: chuva, vento, frio, sol etc., de acordo com as necessidades específicas de cada planta. O ideal é que permaneçam em um ambiente aberto (jardim, varanda ou sacada) com sol direto pelo menos na parte da manhã, podendo até permanecer em ambientes fechados por curtos períodos de tempo (no máximo três dias) evitando sobremaneira ambientes artificiais (ar condicionado e aquecedor). A tendência que os galhos e folhas têm de crescer em direção ao sol poderá provocar desequilíbrio na forma; evite-o fazendo uma rotação periódica nos vasos, procurando não mudá-los de local.
 Rega:
É na rega que consiste uma das maiores dificuldades de manutenção das plantas, pois uma das características do Bonsai é o cultivo em vasos pequenos e com pouca profundidade. Associado a este item está à necessidade diferenciada de consumo de água que varia de planta para planta assim como o nível de exposição ao sol. Levando em consideração esses fatores, e principalmente com observações diárias, é que vamos adquirir com o tempo experiência suficiente para executarmos esta prazerosa tarefa sem maiores dificuldades. De uma maneira geral as regas devem ser diárias e os melhores horários são de manhã cedo ou final da tarde. A rega deve ser feita em toda a extensão do vaso inclusive por sobre a planta, deixando alguns segundos de intervalo para que a água possa penetrar na terra, podendo para isso ser utilizado um regador de bico fino. Além das regas, nos dias mais quentes, uma borrifação na parte aérea ajudará a manter a umidade da planta e eliminar traços de poeira depositados sobre as folhas. Procure não manter sua planta sempre encharcada, pois poderá provocar o apodrecimento das raízes. Nunca deixe um prato ou similar sob o vaso para evitar o acúmulo permanente de água, a não ser no caso de viagem curtas de fim de semana, para viagens prolongadas o melhor é deixar o bonsai com alguém que possa regá-lo. Caso ocorra um ressecamento acidental, molhar a superfície do vaso poderá não ser o suficiente, se fazendo necessário mergulhar o vaso todo por 3 ou 5 minutos, para uma absorção completa da água. Se estiver ocorrendo dificuldade na absorção de água nas regas diárias, experimente revolver a superfície do solo para melhorar a drenagem, se isto não resolver provavelmente será necessário se fazer a troca de vaso (replantio).
 Modelagem:
A modelagem é feita para se conseguir a forma desejada e poderá ser feita com arames de cobre ou alumínio, associada a podas periódicas. Os arames terão a função de direcionar o crescimento dos galhos e as podas periódicas servirão para manter a forma inicial removendo brotos e galhos que cresçam fora da posição ou exageradamente. O uso de boas técnicas de aramação nos permite trabalhar com árvores de quase todos os tipos. Por exemplo, se você quiser fazer um bonsai parecer mais velho, estas técnicas devem ser usadas para que todos os galhos fiquem inclinados para baixo, ou ainda se você quiser acentuar as curvas do tronco ou eliminá-las por completo. O mais fino possível, que possa segurar o galho na posição desejada é o diâmetro certo do arame a ser utilizado. Não é conveniente aramar árvores que foram plantadas recentemente, sempre dê ao seu bonsai tempo para se recuperar de uma técnica, antes de começar outra. O arame deverá sempre ser enrolado na direção para onde o galho vai ser curvado, evitando sempre enrolar (esmagar) folhas, brotos e pequenos ramos junto ao tronco. Não aperte muito para não danificar o galho. Enrole o arame em volta do galho apertando apenas o suficiente para conseguir um resultado satisfatório. O processo de aramação leva aproximadamente de seis a oito meses até que a forma seja definida. Em muitos casos será necessário aramar de novo,certos galhos para finalmente se conseguir a forma desejada. Como a aramação é uma das técnicas fundamentais para a modelagem, é possível que você acabe adquirindo um bonsai ainda com os arames de formação, neste caso será importante obter informações sobre o tempo correto que o arame ainda deverá ficar na planta, pois a permanência do arame por um tempo excessivo poderá trazer danos irreparáveis nos galhos onde estão colocados.
 Replantio:
Esta operação deverá ser realizada periodicamente, dependendo do tipo de planta, do estado em que ela se encontra, do tamanho do vaso e do tipo de substrato onde ela está plantada. De um modo geral as plantas caducifólias (perdem as folhas no inverno), as frutíferas e as plantas com floração abundante devem ser transplantadas todos os anos, as coníferas (cedros, pinheiros, etc.) e as árvores perenes (não perdem as folhas) devem ser transplantadas a cada dois ou três anos. Quanto mais velha é a árvore mais intercalada deverá ser o replantio. A melhor época para realizarmos esta operação é no princípio da primavera, quando se reinicia a circulação de seiva, os brotos iniciam sua atividade e a árvore um novo ciclo. A mistura da composição do solo poderá variar em suas proporções conforme o tipo de árvore que estamos replantando.
 Adubação:
O bonsai assim como outros tipos de plantas cultivadas em vasos necessita de reposições periódicas de nutrientes para que possam se desenvolver em sua plenitude. No caso específico do bonsai, as fertilizações devem receber cuidados especiais pelo tamanho reduzido do vaso e a pouca quantidade de terra que os mantém, ou seja, os nutrientes da terra, serão absorvidos com maior rapidez, assim como o excesso prejudicaria o desenvolvimento saudável da planta podendo até causar a sua morte. Os fertilizantes podem ser orgânicos ou químicos, no caso dos adubos orgânicos podemos utilizar esterco de frango curtido, ou ainda uma mistura de farinha de osso a torta de mamona em partes iguais e também curtida. No caso dos orgânicos temos um nível de segurança maior com relação a possíveis excessos, pois estes são absorvidos gradativamente pelo solo e pela planta. Como dosagem média recomendou uma colher de chá em cada canto do vaso, variando as quantidades de acordo com o tamanho dos vasos. Os adubos químicos possuem formulações diferentes com relação às porcentagens de nitrogênio, fósforo e potássio, podendo ser apresentados na forma sólida (granulado) e líquido. Na aplicação dos adubos químicos é importante tomar muito cuidado, pois altas concentrações nas dosagens podem ser fatais. Devemos então, fazer as aplicações diluindo as dosagens à metade das recomendadas pelo fabricante, preferencialmente trabalhando com os adubos líquidos que também são absorvidos pela parte aérea da planta. Não fertilize as plantas quando secas, e sim aproximadamente uma hora após as regas, devendo as aplicações ser feitas pela manhã bem cedo, ou no final da tarde. As adubações devem ser quinzenais e somente na primavera e o outono. Nas espécies frutíferas a adubação deverá ser suspensa no início da floração e retornar apenas quando o fruto estiver do tamanho de uma ervilha, já para as espécies que florescem a adubação deverá ser suspensa durante toda a floração. Nunca devemos adubar as plantas doentes, fracas ou recém transplantadas, e neste caso específico aguardando pelo menos um mês antes de reiniciar as adubações.
 Pragas e doenças:
Todas as plantas vivas, inclusive os bonsai são suscetíveis a pragas e doenças. Contudo podemos recorrer a um conjunto de medidas que podem assegurar a saúde de suas plantas. Talvez o mais fácil e importante meio de proteger-se de problemas é inspecionar as plantas regularmente e estar consciente do fato de que insetos e doenças geralmente não atacam plantas saudáveis e bem cuidadas. Assim convém enfatizar que quantias liberais de raios solares, ar fresco, e água são indispensáveis para se precaver de possíveis infestações. Podemos também fazer as aplicações mensais de prevenção com inseticidas e fungicidas. Estes produtos podem ser adquiridos em lojas especializadas de produtos agropecuários e seus rótulos devem ser lidos com a máxima atenção, pois contêm informações importantes com relação aos cuidados na aplicação, assim como, as devidas dosagens que deverão ser reduzidas em 50% da recomendação feita pelo fabricante. Na dúvida da identificação das pragas e doenças ou nas maneiras de aplicação dos produtos será importante consultar um Engenheiro Agrônomo, ou pelo menos uma pessoa com experiência na identificação destes problemas e no tratamento das plantas.
 Considerações Gerais:
Na arte do bonsai existem inúmeras técnicas relacionadas ao seu cultivo, técnicas para obtenção das mudas, para o plantio, modelagem e manutenção. Esta complexidade na arte de cultivar plantas em vasos não deve em momento algum desestimular os iniciantes que tem interesse em aprender, muito pelo contrário, deverá despertar a necessidade em manter um contato mais íntimo com a natureza. Com o passar do tempo o novo cuidador de bonsai aprenderá que não será preciso ele possuir um alto nível de conhecimento técnico científico, nem ser um Biólogo ou Agrônomo, mas sim desenvolver o principal que é o amor pelas plantas e o respeito pela natureza como um todo. No dia a dia a complexidade das técnicas será diluída em cuidados simples e fáceis, se tornando uma atividade prazerosa e relaxante. É importante lembrar que no começo o nosso sucesso dependerá bastante das primeiras plantas que iremos adquirir. Assim devemos procurar pessoas idôneas para adquirirmos nossos bonsai ou as mudas para trabalharmos, pessoas estas que repassem informações sobre a planta em questão, tais como: nome popular, nome científico, idade aproximada, tempo em que a planta está no vaso, época de poda e replantio, quando tirar o arame se a planta ainda estiver aramada, e características especificas, tais como: época de floração, frutificação e seus cuidados básicos.